Cães TOY , microtoy

Cães TOY , microtoy

Petescadas com múltiplos degraus (7), ideal para cães pequenos (toys, microtoys, etc.) Leia mais

Rampas, Rampas especiais

Rampas, Rampas especiais

Rampa, Petrampa em L Projeto desenvolvido de uma rampa PETrampa com medidas e condições especiais. Leia mais

Quarto de casal

Quarto de casal

Como obter a melhor opção para manter seu filhote no quarto do casal com conforto e sem destruir a harmonia do ambiente. Leia mais

Cadeirinha para megaesofago

Cadeirinha para megaesofago

Petescadas desenvolveu uma peça extremamente leve, confortável para a permanência do cão por períodos longos. Leia mais

Cama box casal, medidas

Cama box casal, medidas

Uma solução inovadora surge para atender necessidades de locais com limitações de espaço. Leia mais

um salto para o futuro










A estrutura de cães e o processo de saltar e pular. 



O resultado de um cão durante um pulo esta diretamente relacionado com : 

                                   ciclo de vida (Bebe, adulto,sênior, idoso) 

                                   saúde atual, se obeso, condicionamento físico, proporção do salto 

                                   sua estrutura (onde sua raça influencia) 


Existe somente uma anatomia para a espécie canina, ou seja, todos tem o mesmo números de ossos, músculos e tendões. Porém dentro dessa anatomia possuem diversas variações. São combinações das diferentes angulações de articulações, formatos ósseos e desenvolvimento muscular que permitem termos diferentes tipos de estruturas ósseas, e consequentemente distintos tipos de movimentação. 

Estruturas 

São variações dentro da mesma anatomia


estrutura canina

Na mesma anatomia as estruturas variam em função da raça mudando itens tais como, a angulação das articulações, formatos ósseos e das cartilagens, desenvolvimento muscular, etc.


A estrutura determina o movimento, diferentes estruturas resultam em diferentes movimentos; São mais de 360 raças oficialmente reconhecidas, cada qual com sua função de trabalho especifico, que tem diferentes estruturas dentro da mesma anatomia. 



Exemplo de uma das diferenças estruturais, angulação do posterior de duas raças: 

                                              Border Collie e Retriever do Labrador 

O Border Collie é uma raça de pastoreio. Para o correto exercício de sua função é necessário cobrir distâncias no solo com a maior eficiência possível. Somente um posterior(coxa traseira) com angulações mais fechadas permite uma maior amplitude do passo em um único movimento. 


                            estrutura canina

O Retriever do Labrador é uma raça de coleta (a caça abatida que cai na água). Para o exercício de sua função é necessário cobrir distâncias dentro da água com a maior eficiência possível, sendo necessário ter peso corporal (lastro) e músculos potentes, necessitando articulações mais retas entre os ossos, a fim de manter a estabilidade corporal. Seu posterior com angulações mais abertas faz com que tenha menor amplitude do passo.


                           estrutura canina


                           agilyty

a amplitude de extensão do corpo é nítida nesta foto, muito diferente entre os dois animais 


O Border Collie possui mais alavanca (extensão) e propulsão para um salto (ou passo) que um labrador. Numa linha reta, o Border começa o salto muito antes devido à capacidade de projeção da suas angulações. Não é porque o Labrador é mais pesado, que ele salta de forma mais lenta, simplesmente suas angulações são mais retas. Não adianta emagrecer-lo, a ponto de ficar pele e osso para poder saltar melhor: sua estrutura sempre será de um cão pesado por mais magro que esteja, as angulações não irão mudar. 

Mesmo que você mantenha seu cão com o peso ideal, sua estrutura, e falta de condicionamento vão definir a lesão e agravados pela idade e a desproporção de um salto.

                                        cães saltando 

Importante ressaltar que dentro da mesma raça existem exemplares diferentes. Cada raça possui seu padrão detalhado para o correto exercício do trabalho para o qual foi selecionado. Todos os padrões estão no site da Confederação Brasileira de Cinofilia (www.cbkc.com.br). Mas cada um terá um resultado para o salto em termos de eficiência e resultado de lesões. 

Nem todo Border Collie segue corretamente o padrão da raça, podemos ter um Border cujas angulações sejam inadequadas ao salto como as de um Labrador. Dificilmente existirá um exemplar completamente dentro do padrão, sempre vai haver algum detalhe que desvie, como variações de angulação fêmur-tibio-patelar, formato de costela, tipo de olhos, tamanho do jarrete, formato dos pés, pelagem, orelhas e etc. 

Porém existem desvios mais graves e outros menos. Para um cão de pastoreio, erros estruturais que afetam a dinâmica do movimento são mais graves. Para um cão de companhia, erros de beleza como a textura da pelagem ou a cor são mais graves que os de estrutura. Mas para o cão que ama a estrutura é indifirente assim como sua raça.



                                    EXEMPLOS DE DESVIOS NA RAÇA PASTOR ALEMÃO
                            estrutura canina



Para os que praticam Agility com cães sem raça, analisando a estrutura de seu cão é possível avaliar o potencial de seu exemplar. Existem certas “estruturas mais propícias” para a prática do Agility. 

Ao examinar o seu cão (com ou sem raça) e saber o que não está correto em termos estruturais, pode-se, em certos casos, melhorar a dinâmica do movimento através de um treinamento adequado ou um condicionamento muscular direcionado. Certos erros estruturais também são passíveis de causar lesões corporais graves ao longo do tempo de prática de agility, por isso o trabalho de fisioterapia preventiva é importantíssimo nesses casos. Para o condicionamento em residencias não é diferente.  


Analisando somente o metacarpo, região de extrema importância no Agility. Um Border Collie de 20 kg, com velocidade de 5 m/s (18KM/h), após o salto pode sofrer na região um impacto de 100 kg/cm2.(calculo efetuado pelo físico M.Moraes). Lembrando que por centésimos de segundo, esse impacto somente se focará numa pata. Algumas pessoas acreditam que as patas de nossos amiguinhos funcionam como almofadas e amortecem o impacto, isto é verdadeiro somente para baixíssima intensidade. (por exemplo em um trote)

O impacto também ocorre de forma severa ao pular da cama, em valor um pouco menor pela menor velocidade inercial, mas igualmente de alta grandeza e afetando mais a uma das patas dianteiras pelo impacto no instante que toca o solo. No salto da cama temos o agravante do sentido direto ao solo, o cão parte de uma altura X para uma altura mais baixa, não é um salto no plano. 

Outro fator de suma importancia é o fato do inesperado, enquanto que no Agility , estamos em um processo conhecido, que é executar um percurso atraves de um comando, no pulo da cama temos o inesperado, (uma campanhia que toca, a chegada de alguem, um brinquedo, etc.), o inesperado provoca uma forte arrancada e impacto do choque ao solo sem uma preparação, fatores estes muito agravados pela quantidade de repetição diária, pelo temperatura em dias frios, pela dureza do piso, etc.. 

Podemos ter diversas angulações de metacarpo em relação ao solo, porém para a pratica do Agility o ideal é ligeiramente inclinado (1). No padrão da maioria das raças de pastoreio (como o Border Collie) é exigida essa angulação. O exemplar que segue o padrão não terá problemas durante a prática do Agility, caso o exemplar tenha o metacarpo erroneamente muito inclinado (2), ocorrerá uma lesão óssea ou articular a longo prazo na região carpiana que incorretamente sofrerá o impacto. No caso de cães com o metacarpo muito reto (a maioria das raças Terriers), o impacto será amortizado incorretamente na art. umero-radio-ulnar (cotovelo) Este dois exemplos são casos no qual é importante efetuar o condicionamento muscular para evitar a injúria. 


estrutura e patas caninas







Animais em Agility devem ser preparados com condicionamento muscular para evitar a injuria, na pratica do esporte. Mas normalmente não temos esta condição de preparar nossos animais para o convívio dentro do lar, falta de exercício, obesidade, etc, só tendem a agravar a dificuldade de executar saltos. 




border colie



Pior do que o salto, temos a curva para os cães que possuem o metacarpo muito inclinado. Quando pulam de camas iniciam um movimento não retilíneo, ou seja é um pulo e simultâneo um inicio de curva onde tendem a torcer as articulações. (impacto+torção)




Dentro da estrutura canina, temos diversos fatores para analisar, como proporções corpóreas, formatos ósseos, angulações (das art. fêmur-tibio-patelar, art.escapulo-umeral, art. umero-radio-ulnar, pelvis, art. tibio-tarsiana, art.metatarsiana e etc.). Da estrutura depende o movimento. Assim como no Agility a estrutura define o movimento possível, na consequência de um salto a estrutura também define o resultado, mais que um esporte e um trabalho , é uma engenharia!


Fonte - A importância da estrutura e dinâmica do cão para o Agility 
             Por M.V. Maria del Rocio Nadal
             O texto original foi adaptado ao tema de escadas

Não existem animais melhores ou piores, principalmente para a sua função de amar, apenas não devemos forçar, por não ter um condicionamento, por serem filhotes ou idosos e ir além das suas próprias estruturas. Prevenir é o melhor remédio.


Petescadas e Petrampa – O estado da arte em Rampas e Escadas para Cães e Gatos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...